Vale a pena reformar o veículo antes de vendê-lo?

Vale a pena reformar o veículo antes de vendê-lo?

No mercado de automóveis, é quase unânime que, se o comprador do carro for um particular, um revendedor ou uma empresa que vai utilizá-lo em sua rotina de trabalho, é certo que reformar a pintura ou reparar outros pequenos danos e avarias será bastante compensador, por causa da valorização obtida.
A aparência do carro conta muito e é o principal aspecto notado por quem compra: alguns avaliadores inclusive sugerem que o valor do veículo seja determinado em até 70 a 80% de acordo com as condições da pintura, da lataria e de sua composição externa. Manchas e amassados podem diminuir em alto grau o valor de comercialização. Geralmente, se associa o aspecto do carro com os cuidados que o proprietário teve com ele. Mas é óbvio que a estética não é a única coisa de peso quando se vai adquirir um carro usado – o comprador avalia a quilometragem rodada pelo veículo, a conservação do motor e das peças, a situação mecânica geral do produto.

Cuide da parte mecânica

Antes de alienar o veículo, portanto, é recomendável consertar qualquer problema mecânico que comprometa o desempenho da máquina, do mesmo jeito que estragos muito grandes e visíveis, como para-choques ou outras peças danificadas por causa de uma colisão. Tais situações devem ser remediadas com prioridade, se o seu orçamento para a reforma estiver muito pequeno.
Ruídos e grandes estragos comprometem em muito o preço de revenda do automóvel, e vale muito a pena trocar componentes de baixo custo, como, por exemplo, os filtros em estado críitico, a correia dentada já desgastada, pequenas peças dos sistemas de suspensão e refrigeração do carro, cabos e mangueiras com fissuras, entre outros. O cuidado com a substituição desses itens, quando indispensável, vai melhorar não só o visual quando se abre o capô, mas também o rendimento do motor e dos sistemas integrados do veículo.

Atente-se à parte estética

Mas, em seguida, deve-se dar atenção aos principais aspectos visuais externos, e se livrar de vez daqueles pequenos riscos na pintura, dos furos oxidados na lataria maltratada, os amassados na carroceria. Até os vidros riscados, como os frontais, que recebem a ação direta dos para-brisas, se estiverem muito marcados podem ganhar um tipo de polimento especial. Esses consertos são mais simples e baratos de se fazer do que a substituição de peças e as restaurações de carrocerias comprometidas após acidentes.

Muitas vezes a troca dos pneus por novos, no caso de vender carros usados, seja algo dispensável. Se os pneus estiverem em ponto médio de uso, ainda em bom estado, a substituição dificilmente retornará em benefícios para o seu bolso na hora da venda. Portanto, troque-os somente se estiverem bastante desgastados ou “carecas”. Entretanto, a colocação do jogo completo de calotas, ainda que não sejam as originais do modelo de seu veículo, melhora a “roupagem” do carro e o deixa com o aspecto de bem cuidado.

Cuidados com o interior do carro

No interior do automóvel, onde o interessado em comprar o carro, seus amigos e familiares irão seguir viagem, sentir-se confortável é algo fundamental. Por isso, determinados adornos e a higiene com o painel, os estofados e o piso contam muito. Bancos limpos, tapetes novos, bem como a ausência de manchas sem dúvida valorizam o carro. Escovar, aspirar e remover a sujeira mais grossa do estofado ou limpar os carpetes são tarefas que podem ser feitas em casa. Igual atenção deve ser dada ao tecido que cobre as portas laterais, o teto e outras partes, como, em geral, o porta-malas.

No momento da apresentação para o provável comprador, uma cera na carroceria poderá causar uma ótima impressão! Por isto, para realizar um negócio financeiramente mais viável, reforme o veículo.
Para mais dicas sobre como comprar ou vender veículos usados, fique ligado em nosso blog!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *