Como saber se os documentos do carro são legítimos?

Como saber se os documentos do carro são legítimos?

Na hora de comprar carros usados, um dos maiores medos que muitas pessoas têm é em relação à legalidade do veículo, a fim de se fazer um investimento certeiro, sem ter mais tarde problemas na justiça com um carro roubado ou adulterado. O que acontece é que muitos bandidos conseguem adulterar não só o chassi dos carros, mas até realizam fraudes na documentação do bem.

Então, como um comprador leigo poderia saber se os documentos do automóvel são legítimos? Dá para saber, na hora de comprar um usado, se os documentos daquele veículo são autênticos? Vamos descobrir como proceder!

O que os bandidos fazem

Muitas vezes, quando um veículo é furtado ou roubado, os marginais envolvidos no sinistro adulteram seu chassi, trocam as placas de identificação, e transformam o veículo naquilo que popularmente é conhecido como “cabrito”. Nesses casos, o veículo retorna ao mercado como se fosse um automóvel comum, aparentemente sem irregularidades. E muitas pessoas acabam comprando-o, sem perceber que ele é roubado ou está ilegal. Mas como isso acontece?

A adulteração de documentos

Quando a fraude é mais organizada, os marginais também adulteram os documentos do carro antes de colocá-lo à venda. O Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) é o principal documento do automóvel, o qual precisa ser apresentado nas fiscalizações rotineiras dos agentes de trânsito e atesta a transferência de propriedade quando se compra o veículo.

A cédula não preenchida do CRLV chama-se Espelho, e vários destes documentos em branco ficam armazenados nos postos dos DETRANs. Ocorre que, muitas vezes, esses Espelhos são também surrupiados pelos marginais, que depois preenchem os documentos com os dados do veículo clonado ou “cabritado”. O comprador comum, antes de realizar a compra, não é capaz de perceber nenhuma diferença, que só poderia ser reconhecida por especialistas dos órgãos oficiais, após uma perícia completa e minuciosa da cédula.

Precauções e medidas preventivas

Quando o comprador desconfiado vai consultar os dados inseridos nos órgãos de trânsito, não vai se deparar com queixa de furto ou roubo, e provavelmente não vai encontrar registros de sinistro ou outro indício que pareça ser um contratempo.

Isso acontece porque os dados inseridos são de um veículo devidamente legalizado, ainda que o Espelho seja roubado. Mas, para isso acontecer, torna-se imprescindível a participação de um agente público para a consolidação de uma fraude mais extensa, inserindo os dados nos sistemas. Portanto, realizar uma consulta veicular pode ser uma medida decisiva para verificar se o negócio é ou não ilegal. Mesmo que tudo conste como correto, o comprador deve ainda verificar se o número do chassi confere com o apresentado no documento do veículo, e analisar se esta cédula não apresenta rasuras. Deve-se também checar se o lacre das placas do veículo está adulterado, de forma que as rebarbas ou polimento interno podem indicar sinais de adulteração.

O ideal é fazer negócio com uma pessoa que possa ser localizada facilmente no futuro e possuir seu endereço completo, ou com lojas reconhecidas do ramo. Por fim, há a possibilidade de contratar empresas que são especializadas em perícias e análises de procedência, que através de técnicos e mecânicos avaliarão se o veículo é legalizado e está em ordem.

A compra de um carro é um investimento de grandes soma de dinheiro. O principal caminho para fazer um negócio seguro é a prevenção. Portanto, antes de concretizar sua compra, procure tomar todos os cuidados necessários para que você saiba que aquele bem é autêntico e seu proprietário é idôneo.

Ficou ainda alguma dúvida? Escreva no campo de comentários abaixo, nós podemos te ajudar!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *