Quais são os riscos de comprar carro em leilão

Quais são os riscos de comprar carro em leilão

Os leilões de carros usados podem se mostrar um ótimo negócio, tanto para as empresas que revendem carros quanto para os consumidores comuns que estejam em busca de veículos mais em conta. É possível arrematar automóveis com valores 40% mais baratos do que seus preços usualmente praticados, mas existem transações mais vantajosas ainda, com reduções que chegam a até 50 ou 60%.

Porém existem, obviamente, alguns riscos envolvidos nesse negócio. Se você está interessado em visitar leilões e talvez comprar carros nesses procedimentos públicos, deve conhecê-los com o intuito de se precaver.

Que tal descobrir os principais perigos de comprar veículos em leilões? Leia o nosso artigo e se informe!

Não é permitido testar o veículo

É enorme a quantidade de carros para leilão, de maneira que o poder público e as empresas que organizam esses eventos não têm como promover a checagem de todos os automóveis, um a um, por seus eventuais compradores. Portanto, os interessados nos veículos que serão leiloados poderão até observá-los no pátio de exposição, a fim de constatar se há algum defeito aparente. Mas não poderão ligar o carro para testar o seu motor ou guiá-lo, de maneira a averiguar a direção, o câmbio e os freios. O comprador só saberá mesmo, se existem reais defeitos ou problemas, depois de concretizar o negócio.

Deve-se ler atentamente o edital do leilão

O edital do leilão é o documento em que as regras para a comercialização dos automóveis estão definidas e explicadas, como a disciplina relacionada à arrematação e ao pagamento. Por isso, o consumidor deve empregar um pouco do seu tempo para ler tudo, eliminar dúvidas e entender os pormenores do procedimento para que não cometa algum erro, perca dinheiro ou seja penalizado!

Não se sabe com precisão se o carro tem dívidas ou pendências judiciais

No leilão, o veículo é vendido exatamente no estado em que se encontra. Por isso, o processo não pode ser fraudulento, a ponto de os consumidores não saberem o que estão comprando.

Usualmente, o edital indica o histórico do carro, de forma que o comprador saberá se o veículo passou por acidentes, por desastres com perda parcial ou por casos fortuitos, como enchentes e danos com fogo. Mas o automóvel poderá trazer outros apontamentos prejudiciais, como multas, parcelas não pagas de financiamento ou o IPVA atrasado. Vale a pena, nesses casos, fazer uma consulta veicular para constatar a real situação do automóvel consultado.

Pode-se demorar a ter acesso à documentação

O prazo para a entrega dos documentos do carro varia bastante conforme o caso e existe uma previsão no catálogo em que é distribuído o leilão. Porém, isso pode demorar meses, o que é bastante negativo para quem deseja utilizar rapidamente o veículo, tanto com a ideia de o revender quanto para o seu uso pessoal. Vale dizer, também, que as despesas com a transferência de propriedade, com as taxas de despachante, com o laudo e com o seguro obrigatório correm por conta de quem vai comprar o automóvel.

É possível gastar bastante com o seguro

A empresa seguradora poderá cobrar mais caro quando os veículos tiverem sofrido colisão ou forem recuperados de sinistros, como roubos e furtos. Algumas coberturas, inclusive, poderão ser recusadas, a depender do estado geral do carro.

Além das despesas com a documentação e com a transferência do automóvel, o comprador não pode se esquecer de que, geralmente, o valor do lance para arremate deve ser pago à vista. Ainda há 5% de comissão a serem pagos para o leiloeiro, acrescentados sobre o valor final da aquisição.

Sempre que for comprar carros nesses eventos, antes de sair de casa, estipule o valor máximo que você poderá gastar, a fim de não dar lances por impulso e tomar as medidas mais saudáveis e equilibradas para fazer um bom negócio. Por exemplo, avalie bastante o carro visualmente e realize consultas veiculares antes de fechar a compra.

Já fez ou está pensando em fazer negócios em leilões de carros usados? Deixe a sua opinião sobre o assunto com um comentário!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

3 comentários

  • A melhor coisa e não comprar carros de leilão você vai ter uma tremenda dor de cabeça principalmente se você for inexperiente nesse assunto Se você comprar um veículo com o valor maior provavelmente você não vai conseguir fazer um seguro que ao meu ver é uma coisa totalmente irregular por que quem manda esses Veículos para os leiloeiros são as seguradoras depois elas não querem mais fazer seguro do carro resumindo o consumidor sempre será lesado como tudo que acontece nesse país

    Responder
  • Comprei dois carros de leilão para a revenda. Maior besteira que fiz. Difícil encontrar Peças, roubaram peças dos carros, até a chave codificada roubaram, R$1000,00 para codificar uma nova pois o carro era quase zero. So uma seguradora quis fazer o seguro com 80% da fipe. Isso que sai bem mais caro. Tem que fazer inspeção veicular. Não existe latoeiro perfeito sempre fazem umas m… No carro. E o pior, ninguém compra porque é de leilão. Devia ter processo contra isso

    Responder
  • Seguro para carro de leilão é realmente um pouco mais chato de se conseguir e de dificil aceitação, mas depende muito em qual companhia esse orçamento vai passar e ficar bom, sou corretor de seguros e tenho bastante desses carro em minha carteira.

    Alguns realmente não passam nas vistorias, mas até que tem uma margem de aceitação boa! Geralmente as companhias aceitam com a tabela FIPE entre 80 e 90%.

    http://www.felipebrandaoseguros.com

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *