Fique atento a nossas dicas antes de comprar um veículo em um leilão!

Fique atento a nossas dicas antes de comprar um veículo em um leilão!

Se antigamente os leilões eram quase que exclusivamente visitados por empresas de revenda de carros, cada vez mais vêm recebendo a frequência das pessoas físicas, interessadas em pagar mais barato em um automóvel usado. Segundo estimativas dos leiloeiros, cerca de 1/5 dos arremates atuais são de consumidores comuns. Calcula-se que, nos leilões, seja possível conseguir até 40% de abatimento sobre o preço de tabela ou aquele praticado no mercado para um veículo igual ao arrematado.

Só que nem tudo são flores. O consumidor deve ficar atento para não levar gato por lebre! Apesar de parecer uma oferta tentadora, comprar em leilão envolve alguns riscos. Você saberia dizer quais são?

Você não pode testar o veículo

Uma das piores inconveniências dos leilões é que, na maioria dos casos, não será possível ligar o automóvel e testar seu motor, câmbio, direção e freios antes de arrematá-lo. Ou seja, quem compra não saberá, antes de concretizar o negócio, se o carro tem algum defeito interno ou problemas mecânicos. Isso é justificado pelas empresas leiloeiras devido à enorme quantidade de veículos posta à venda, sendo inviável disponibilizar as chaves e pessoal autorizado para acompanhar e supervisionar esses tipos de testes particulares.

A saída aqui é prestar muita atenção no edital, porque é neste documento que as regras da comercialização do carro estarão fixadas e explicadas. Se possível, leve um profissional ou amigo que entenda de mecânica para dar uma checada geral no veículo, ainda que não muito minuciosa, antes de fechar o negócio. O carro é vendido no estado em que se encontra, e não é oferecida qualquer garantia.

O carro pode ter dívidas e pendências judiciais

O edital, portanto, deve indicar o histórico do carro, e o eventual comprador saberá se ele é fruto de batidas ou enchentes, por exemplo. Só que o veículo pode trazer outros problemas, como multas e parcelas atrasadas do IPVA, financiamento não saldado, entre outros, e muitas vezes o débito pendente é repassado ao futuro proprietário.

É evidente que a legislação brasileira protege o consumidor se o edital não trouxer, de forma expressa, que o veículo apresentava algum débito antes de ser leiloado, e esta má-fé pode ser alegada na Justiça. Só que isso, além de gerar aborrecimentos e mais demora, também gera custos com advogado, e a melhor maneira de se livrar desse risco é fazendo uma consulta em serviços especializados (como o Carcheck). Além de o serviço ser muito mais barato, você terá a chance de verificar o histórico completo do veículo, sabendo tudo sobre multas pendentes, se houve batidas e sinistros com o carro, ou mudanças em suas características, como repintura e troca de peças importantes.

Você pode gastar mais do que imagina

Se o carro adquirido sofreu colisão, ou foi recuperado de um sinistro (como roubo ou furto), a empresa seguradora poderá cobrar mais pelo seguro, ou até recusar a cobertura, dependendo do estado em que o veículo se encontra. Por isso é muito importante saber o histórico antes de efetuar a compra. O valor do lance deve ser quitado à vista, e ainda há 5% de comissão a serem pagos para o leiloeiro, acrescentados sobre o valor final.

Há outros gastos envolvidos na aquisição por tal modalidade de venda de carros. As despesas relacionadas às segundas vias de documentos e transferências de propriedade ficam a cargo do novo proprietário, e não é incomum que a entrega dessa documentação demore um pouco para sair. É preciso ter paciência.

Não se deixe levar pelas ofertas sem se precaver. Estipule o valor máximo que você irá pagar para adquirir um veículo em leilão, e faça todas as checagens possíveis – nos seus aspectos externos e mecânicos, no edital e, principalmente do histórico do veículo.

Não se esqueça de compartilhar conosco as suas experiências e histórias, através dos comentários!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *