Como saber se o odômetro esta adulterado?

Como saber se o odômetro esta adulterado?

O odômetro (ou hodômetro) é um instrumento que fica no painel do carro, usualmente no visor atrás do volante, e que serve para indicar as distâncias percorridas pelo veículo. O conta-giros desse utensílio traz as indicações da extensão total viajada e também da distância parcial.

Tipos de odômetros

Esse instrumento se apresenta em duas espécies: mecânico, quase em extinção, ou digital. O odômetro mecânico constitui um conjunto de engrenagens conectadas a segmentos de cilindros, onde são pintados os números, que giram sobre um eixo e indicam a quilometragem percorrida. Nos carros mais modernos, esse modelo fora substituído pelo odômetro digital ou eletrônico, que oferece a contabilização da distância que o veículo trafegou por meio de um sistema computadorizado.

Mas não foi somente o progresso tecnológico que estimulou a mudança. O odômetro mecânico proporcionava muitas desconfianças, principalmente na hora de se comprar um veículo usado, porque a maioria dos aparelhos eram rebobináveis. Assim, o vendedor conseguia ludibriar os possíveis compradores diminuindo a quilometragem do conta-giros antes de colocar o carro no comércio. Os odômetros mecânicos mais antigos conseguiam ter os marcadores adulterados manualmente ou ao engatar o cabo do aparelho em uma furadeira, por exemplo, que ao rodar fazia com que a quilometragem diminuísse. Muitos também davam marcha à ré no automóvel, embora o procedimento fosse bem mais complicado e vagaroso.

Para evitar que você caia em furada ao comprar o seu carro usado, confira as nossas dicas para saber se o odômetro do seu carro está adulterado:

Passe o módulo central do automóvel pelo scanner

Os odômetros eletrônicos são mais confiáveis e difíceis de alterar manualmente. Mas como nem tudo é perfeito, os trapaceiros de plantão inventaram técnicas de adulteração também para esses instrumentos mais sofisticados. Adulterar o aparelho eletrônico requer mais conhecimento de mecânica, o que reduz a possibilidade de que os vendedores alterem a contagem com as mãos ou com “geringonças”, como no exemplo da furadeira. Só que, justamente por serem instrumentos digitais, fica também mais difícil de o futuro comprador desvendar a falsificação.

A maneira mais segura de se conhecer a quilometragem real de um veículo é levando-o a uma oficina autorizada ou com alta nível de especialização. Explique sua suspeita e solicite ao técnico que passe o módulo central do automóvel por um aparelho chamado scanner. Esse teste vai apresentar o número exato de quilômetros rodados pelo carro.

Verifique o desgaste de algumas peças

Existem outros indicadores que podem evidenciar que o odômetro foi adulterado. Você mesmo pode verificar o desgaste de algumas peças e comparar com a quilometragem indicada no instrumento. Caso não se sinta seguro para fazer essa comparação, também é o caso de levar ao mecânico de sua confiança para realizar a checagem.

Podemos fazer referência a algumas situações que, a partir dessa simples verificação, gerariam desconfiança. Por exemplo: os fabricantes de pneus garantem o uso desses itens até 60.000 quilômetros percorridos. Se o carro estiver marcando em seu odômetro uma medição de 20.000 ou 30.000 quilômetros, mas o conjunto de pneus estiver bastante desgastado (“pneus carecas”), é um alerta para desconfiar da adulteração do instrumento. Com essa quilometragem, os pneus deveriam estar em bom estado. Se houver um ou dois pneus trocados apenas, pode ser que tenha acontecido um problema específico com o item (pode ter furado ou ter sofrido algum defeito de fabricação), e essa análise perde um pouco sua consistência.
Outros componentes também marcam o consumo e a idade do veículo, o que normalmente acompanha a quilometragem percorrida. Pedal de freio e alavanca de câmbio com ruídos ou desgastados, por exemplo.

E você, conhece alguma outra dica para detectar adulteração no odômetro? Compartilhe conosco nos comentários!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

22 comentários

  • Uma maneira de começarmos a dificultar as coisas para esses “vendedores espertinhos” é tirar fotos do veículo e velocímetro antes de vender ou trocar, se possível faça um anúncio na web antes de vender pois este anúncio ficará disponível para o próximo comprador, e por meio de pesquisa na web a pessoa interessada poderá pegar detalhes do veículo e assim saber se está sendo trapaceada. Nós consumidores precisamos nos unir para ficarmos fortes. Estou postando isso porque presenciei esse golpe e a pessoa lesada acabou encontrando o antigo dono o qual deu provas contundentes de que o veículo possuía uma quilometragem diferente da mostrada.
    O mais interessante é que esses “vendedores espertinhos” são muito burros, pois posso dizer que a maioria das pessoas nem olham para o velocímetro na hora de comprar um carro em boas condições e essa alteração acaba lhe trazendo um grande problema que poderia ter sido evitado e também pode retirar um veículo de circulação pela adulteração para averiguação.
    No meu ver é muita idiotice mudar o velocímetro do carro, ainda mais com as ferramentas como a web a nossa disposição.
    Quando você comprou ou for comprar um carro, pesquise na web, pois pode ser que o veículo tenha sido anunciado, pelo antigo proprietário que pode ser uma pessoa idônea.

    Responder
    • Eu já fiz isso várias vezes tiro fotos e guardo comigo . Infelizmente nesse pais bagunçado de quinta categoria só tem trambiqueiro pra todo lado.

      Responder
  • Pessoal tive todos os cuidados na hora da compra do veículo e questionei o gerente por que os pneus novos para um carro de 26.600km, aí ele me disse que era um brinde. Mesmo desconfiado comprei o carro com a garantia da loja de quilometragem original. Para minha surpresa, ao fazer a revisão de 30.000km, me deparei com a informação que havia muitas peças desgastadas para uma quilometragem dessas, e por fim o gerente da oficina checou o módulo do fabricante, com um scanner, para certificar a alteração do odômetro. Quando tivemos a confirmação de que o carro estava com cerca de 27.000km a menos!

    Responder
  • Deixo aqui registrado que procurei as autoridades e órgãos fiscalizadores e não tive ajuda. O INMETRO me informou que nas regiões Norte e Nordeste, não há nenhuma empresa que faça laudos de adulteração de odômetro, por isso entrei na justiça e faz anos que o juiz nomeiou um períto, mas nunca chegou!
    Muito cuidado a comprar carro nestas regiões pois estão cheios de abutres, para prejudicar as pessoas de bem!
    Depois que recebem o dinheiro não tão bem aí, e ainda se acham que vão sair impune!!!

    Responder
    • estou com o mesmo problema mas ninguém quevpassa o scanner para confirmar minha suspeita. Que conhece alguem que passa o scanner siena passa o telefone? comprei o carro a 2 meses e ja fui na oficina 3 vezes troca peças… sou de salvador.

      Responder
    • Entao seu processo está parado ? A revenda não te reembolsou nada ? Como ficou ?
      Estou pensando em entrar na justiça … pois comprei um COROLLa 2008 com 87 mil km e fui na concessionária fazer uma revisão e na última passagem do carro em 2011 ele já tinha 160 mil km . Ou seja se me basear ele rodou 40 mil ao ano. Hj ele estaria com mais de 250 mil km e comprei por 87. Vou fazer uma ocorrência e tentar conseguir algo da Toyota talvez uma declaração dizendo que o estado do carro não condiz com a km e que já teve uma passagem lá com km muita mais alta da atual… e entrar no pequenas causas …
      Sou de curitiba … laudo não sei se arrumo… Vou tentar desta forma

      Responder
      • Por isso nunca faço revisões nas concessionárias após 50 mil km hehehhe assim não fica registrado na concessionária o km do veículo 😉

        Responder
    • Se depender da perícia do Estado vc está morto. Contrate um perito particular e peça um laudo. Anexe no processo. Talvez ajude.

      Responder
  • Minha dica é, evite comprar carro de agências de usados. Eles têm motivo e recurso para investir nesses aparelhos que reprogramam odômetros, vendidos por 3 mil reais em média no mercado livre.

    Responder
  • Boa tarde! Sempre que tiverem prejuízos por culpa de terceiros, tem cabimento o ressarcimento de danos e possivelmente indenização por Danos morais, em alguns casos mais extremos. A questão do perito necessário não cabe no Juizado Especial de Pequenas Causas. Teria que entrar na justiça comum, caso haver necessidade de prova pericial. Porém a prova poderá ser colaborada (em tese) por três orçamentos de mecânicos de credenciadas que atestam esta condição de uso do veículo. Com estes orçamentos, certamente o Juiz da causa deferirá um perito para a lide

    Att.

    Responder
  • Boa tarde , gostaria de tirar uma duvida. Eu comprei um painel novo pra minha moto (Honda fan 150 2011) e gostaria de deixar o odometro com a mesma kilometragem do antigo . Isso é ilegal ou posso fazer sem problema algum ?

    Responder
  • Srs. minha intenção não é polemizar, mas contribuir com informação. Antes de mais nada, desmentir a dica do desgaste dos pneus: os antigos podiam durar mais de 60 mil km (ao custo de baixo grip e performance), mas atualmente são raros os que duram 40k.
    No final, de que estamos falando? VIDA ÚTIL… Tudo tem um ciclo de vida, inclusive nós mesmos – ou alguém espera viver muito mais de 80 anos? No exemplo do automóvel, um dos sistemas-componentes mais caros é o motor; o que mais abrevia sua vida útil é trabalhar fora da faixa de temperatura ideal (principalmente por questões de lubrificação).
    Agora imaginem dois usos hipotéticos: alguém que trabalha a 10 km de casa numa metrópole congestionada (e chega ao trabalho ou casa após centenas de trocas de marchas, bem na hora que o motor chegava à temperatura ideal) e uma pessoa que viaja bastante (obviamente em velocidade constante em última marcha).
    Qual carro estará mais rodado? Respondo: o que sofreu menos desgaste por operar em condições melhores. Significa que só devemos comprar veículos bastante rodados, preferencialmente em uso rodoviário? Não, e aqui está o xis da questão: vai durar mais o automóvel que teve MANUTENÇÃO mais adequada ao seu tipo de uso.
    Portanto, srs, estamos valorizando o quesito errado! Não é crime rodar muito (seja em cidade ou estrada), o pecado é negligenciar a manutenção. Algo como uma mulher que “mente” a idade: se ela não tem rugas, é saudável e durinha, que diferença faz se tem 24 ou 34 anos?
    Encerro com outro exemplo: ninguém falsifica nota de 5, tênis kichute ou quadro do preto velho, somente o que o MERCADO VALORIZA… O mercado somos nós, basta promovermos uma mudança de mentalidade – e não esperar que alguma autoridade do Estado (juíz, perito, órgão, etc.) venha nos salvar.

    Responder
  • Parabenizo pelo texto. Esta escasso material na internet sobre scaneamento de veiculos. Pouco se acha de fato. É um nicho lucrativo mto bem protegido.

    Sobre as quilometragens dos veiculos… procurem por “elm 327”, um scanner de bolso que usa um aplicativo, bluetooth e a tela do seu celular de interface.

    Vc pode com isso checar no momento da compra a quilometragem do carro pretendido.

    Responder
  • Olá amigo ! tenho 64 anos, possuo uma Land Rover 2009, está com 50.000Km rodados, foi carro sempre da familia desde OK. O pneu socorro nunca tinha ido ao chão, o macaco e a cha de rodas também nunca tinha sido usados. Coloquei agora o penu socorro pra rodar e comprei mais 3 pneus novos. O pneu socorro ainda é made in Germany , original fabricado na Alemanha. Os pneus tem DOT ou seja data de fabricação de outubro de 2008. Compativel com a data de fabricação da Land Rover.
    Entenda que a melhor prova de comprovação da não adulteração do odometro é o DOT do pneu. Todo pneu tem a data de fabricação. No meu caso rodo pouco mesmo. Moro no interior, as vezes só pego o carro na Sábado e vou até o municipio vizinho, rodo em torno de 60 km apenas de ida e volta. Levo o ano todo e nem rodo 5,000km.

    Responder
  • Comprei um logan 2014 e veio com 15000 quilômetros rodados agora tô comedo de ser adúlterado pois tou com problema no câmbio a primeira não entra poxá um carro pouco rodado já com problema

    Responder
  • Olá pessoal isso realmente é perigoso mais nem sempre é a loja a culpada conheci algumas pessoas de particular que tem esse vício, vi o caso a cima nos comentários do amigo do corolla, pós bem me fez lembrar que as vezes os logistas não tem culpa,como falei conheci uma pessoa extremamente mau caráter ele é representante então usa mesmos seus carros seu último carro de trabalho foi uma gran tuor top, banco de couro etc… Então como o representante ele anda muito correto, ao vender sua GRAN TUOR, ela estava com 240mil, ele simplesmente baixou para 40mil KM, isso mesmo absurdo míseros 200 tirou, detalhe passou o carro para revenda de auto nível, enganou a loja, como isso é possível??? carro tinha vícios oocultos pela KM, mais por ele ser muito zeloso, que é mesmo…hidratada o couro toda semana cuidava sim do carro etc.. Mais não justifica isso e por em crível que pareça não tinha sinais na parte estética liso, apenas oculto, e sempre com o carro na estica, ele passou conseguiu enganar loja, apenas dó de quem pegou esse carro pq vai aparecer algo maia tarde e pode ser grave!

    Responder
  • Olá, me interessei no assunto devido há algumas motocicletas que vi no centro de Teresina-PI, estranhei motos do ano de 2009 e 2011 com KM parecidas, 9 mil KM e 12 mil KM respectivamente. Tenho certeza que houve adulteração na quilometragem das motos, como modelos tão antigos e com tão pouca quilometragem ? Desconfiei assim que vi. fiquem ligados !

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *