Quais são as categoriais de multas de trânsito existentes no Brasil

Quais são as categoriais de multas de trânsito existentes no Brasil

Normas e padrões são necessários para que os acordos sociais sejam mais simples de cumprir e no caso do trânsito não é diferente. Muitas pessoas acham que as multas servem para punir o condutor, mas na verdade elas existem para corrigir os infratores — o que é bem diferente.

É claro que aparelhos eletrônicos como os radares, por exemplo, podem vir a se danificar e gerar alguma multa incorreta. Sendo assim, motoristas têm um prazo de 15 dias para recorrer à multa ou 30 para efetuar o pagamento, quando a infração é reconhecida.

Neste post identificaremos os diferentes tipos de multa e também as sanções para quem comete infrações de trânsito. Confira!

Leves, médias, graves e gravíssimas

Existem quatro classificações para distinguir a gravidade de uma infração. São elas:

Gravíssima: Seu valor vai de R$ 191,54 até R$ 1915,40 — dependendo do ocorrido — e você perde, no mínimo, 7 pontos no prontuário;

Grave: O valor dessa multa é de, aproximadamente, R$ 127,69 e são descontados, pelo menos, 5 pontos no prontuário;

Média: O custo da multa de gravidade média é de R$ 85,13 e você ainda perde 4 pontos no prontuário;

Leve: Seu valor é de R$ 53,20 e 3 pontos são descontados no prontuário.

Dependendo da quantidade de pontos que forem descontados no prontuário do motorista, ele chega a perder a sua CNH — que é recolhida ou cassada. Isso pode ocorrer tanto quando um condutor, ainda com a carteira provisória, somar 4 pontos no prontuário e ter seu direito de dirigir suspenso, quanto para quem já possui a carteira definitiva, mas atingiu o limite de 20 pontos perdidos.

O que pode gerar essas diferentes multas?

Gravíssimas

Estar com a carteira vencida por mais de 30 dias;

Avançar de semáforo no vermelho;

Dirigir sob efeito de álcool;

Permitir que crianças viagem no banco da frente;

Dirigir inabilitado;

Pilotar moto sem capacete, dar carona a crianças com menos de 7 anos em uma motocicleta ou usar a moto para fazer manobras perigosas;

Dirigir um veículo sem placa ou com placas ilegíveis — o mesmo se aplica a veículos sem licenciamento.

Graves

Trafegar sem o cinto de segurança ou permitir que seu passageiro não o use;

Não dar seta para mudar de faixa ou fazer conversões;

Não guardar distância segura de outros veículos;

Fazer ultrapassagens pelo acostamento;

Atrapalhar outros motoristas por estar com farol desregulado;

Não possuir os equipamentos obrigatórios determinados pelo CONTRAM ou possuí-los com defeito;

Não dar baixa em veículo que esteja desmontado ou irrecuperável.

Médias

Trafegar com placas diferentes do padrão estabelecido;

Não realizar a transferência do veículo em 30 dias;

Estacionar na contramão, em portas de garagem ou a menos de 5 metros desses locais, impedindo a movimentação de outros veículos;

Estacionar em frente a hidrantes, tampas de registro ou galerias subterrâneas;

Conduzir o veículo acima de sua capacidade máxima de lotação ou realizar transporte de pessoas sem a devida licença — salvo com autorização das autoridades competentes;

Molhar pedestres ou outros veículos passando por poças d’água intencionalmente;

Conduzir veículo com carga acima da tolerância permitida;

Rebocar veículos sem ser em situações emergenciais.

Leves

Buzinar de forma sucessiva ou longa entre 22h e 6h;

Transitar em faixa destinada a ônibus ou caminhões, exceto em caso de conversões ou acesso a imóveis;

Estacionar a mais de 50 centímetros do meio fio. Caso o espaço seja superior a 1m, a multa será considerada média.

Impedimentos previstos

O condutor que não realizar a regularização de seu veículo por não efetuar o pagamento das multas, não quitar a taxa de licenciamento anual ou o seguro obrigatório, ficará impedido de transferir o seu veículo após vendê-lo — se o veículo não for abordado antes, o que pode gerar problemas como apreensões e taxas de diárias no Detran.

E você, acha que a forma de aplicação de multas, bem como o valor delas, é correta? Compartilhe conosco os seus relatos e dúvidas sobre o assunto

 

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *