Comprou um veículo usado? Saiba o que é necessário para fazer a transferência

Comprou um veículo usado? Saiba o que é necessário para fazer a transferência

O cuidado com a documentação do veículo é uma das coisas mais básicas a serem feitas pelo comprador. O principal problema no comércio de veículos usados está em um “pequeno” detalhe, mas que pode gerar muita confusão no futuro: os compradores muitas vezes demoram ou se esquecem de informar ao DETRAN (Departamento Nacional de Trânsito) sobre a transferência, e isso pode fazer com que o antigo proprietário continue responsável pelas dívidas do carro, tanto os impostos, quanto taxas e até as multas recentes.

Quem deve transferir a documentação é o comprador

A responsabilidade pela transferência é do comprador do veículo, o que deve ser realizado em um Centro de Registro de Veículos Automotores (CRVA), no prazo de 30 dias da data da aquisição, nas imediações de seu município de residência. O antigo proprietário não pode cumprir o procedimento, portanto, a não ser que tenha sido efetivado um acordo entre as partes nesse sentido.
Inclusive, principalmente se o carro usado estiver sendo adquirido em uma loja ou concessionária, é proibido atrelar a concretização do negócio aos serviços de um despachante que atende subsidiariamente ao estabelecimento. O caso pode dar a impressão de facilitar a negociação, mas na verdade é um gasto a mais que é dispensável, além de ser reconhecido como uma venda casada, o que é vedado pelo Código de Defesa do Consumidor.
Não é complicado realizar a transferência. De antemão, para evitar a dor de cabeça de continuar responsável pelos tributos e penalizações pecuniárias do carro já vendido, o antigo proprietário deve assinar a documentação veicular (o Certificado de Registro de Veículo – CRV), reconhecer firma em cartório e em seguida comunicar a venda a uma unidade regional do DETRAN, deixando em evidência o encargo do comprador para fazer a transferência do título. O vendedor deve manter consigo também uma cópia autenticada do CRV, e realizar a comunicação de venda em no máximo 30 dias após a realização do negócio. Esse procedimento, realizado junto ao Setor de Bloqueio e Desbloqueio, é isento de taxas e, portanto, não tem custo algum – por isso, não há a necessidade da participação de qualquer despachante no trâmite.

Transferindo a documentação por conta própria

Ao transferir por conta própria a documentação do veículo adquirido, o novo proprietário (comprador) poderá economizar entre R$ 200,00 e R$ 400,00!

Para concretizar a transferência, o comprador deve ter em mãos alguns documentos:

  • Originais e cópias de seus documentos pessoais (CPF, RG, comprovante de residência);
  •  O Certificado de Registro de Veículo (CRV) do proprietário anterior, preenchido em nome do adquirente (ou seja, em seu nome), indicando o exato preço de venda e apontando a firma do antigo dono, reconhecida por autenticidade em cartório;
  •  Original e cópia do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), além dos comprovantes de quitação de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), licenciamento e multas quitadas,­ todos fornecidos pelo proprietário anterior do veículo;
  • Duas cópias do formulário do RENAVAM;
  • Dois decalques do número de chassi do veículo, em etiquetas que serão coladas no verso de uma das cópias do formulário do RENAVAM;
  •  Certidão do RENAVAM, conseguida gratuitamente no DETRAN, onde se atesta que o automóvel não aponta débitos administrativos.

Com todos esses papéis, o comprador deve se dirigir a uma agência de qualquer banco conveniado ao DETRAN e realizar o pagamento da taxa de transferência do veículo, a qual pode variar entre R$ 140,00 e R$ 204,00. Depois, é só juntar esse comprovante e seguir até uma unidade do DETRAN de seu município, a fim de finalmente dar entrada na transferência do carro para o seu nome.

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

13 comentários

  • gostei muito do informativo. Comprei um carro recentemente e o lojista, imprimiu um boleto de transferencia de 802 reais e me mostrou, dizendo que iria pagar, sendo que posteriormente eu teria que depositar o valor na conta dele, acontece, que no detran, fui informado que a taxa seria de 248,90, o que devo fazer?

    Responder
  • Meu carro com placa final 8, vendi em maio com os docs pagos, apenas o licenciamento não pois só vence em outubro, esse licenciamento tem que ser pago por mim Vendedor ou pelo comprador?

    Responder
  • Olá tenho dúvida comprei um carro em janeiro 2017 final da placa 4 e quando fui ver para fazer a transferencia tive que pagar o licenciamento de 2016 isso é certo?

    Responder
  • Tenho um carro financiado por outra pessoa
    A transferência tem q ser no nome dela.mais ela não mora em Salvador
    Mora em itabuna
    Eu posso fAzer a transferência por ele.
    Tenho tordos os documentações

    Responder
  • Meu vou deixar meu desabafo comprei um carro na unidas, o vendedor queria q eu fizesse uma garantia estendida e mas ele só fazia a documentação se eu ficasse com a garantia, total do documento 1,100reais falei q não queria peguei o documento e fiz por conta gastei 475,00 toda documentação isso é uma cambada de ladrão

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *