Como funciona a divisão dos números de placa no Brasil?

Como funciona a divisão dos números de placa no Brasil?

Cada veículo em circulação possui uma placa de identificação, que atualmente no Brasil é uma chapa de metal que segue um sistema de três letras e quatro números. Pelas ruas, é possível notar vários arranjos diferentes de letra e números, porém é importante entender que tais disposições não são aleatórias. Pelo contrário, esses caracteres seguem uma lógica ordenada e peculiar, que separa alguns intervalos para cada unidade da Federação. Você sabe como isso funciona?

Como funciona o emplacamento atual

Os sinais gráficos gravados em uma placa de identificação veicular no Brasil são conferidos e emitidos pelas unidades do DETRAN (Departamentos Estaduais de Trânsito) existentes em cada região do país, levando-se em conta dados armazenados no sistema RENAVAM (Registro Nacional de Veículos Automotores). Dessa forma, a disposição das letras e números indica o lugar do emplacamento do veículo.

O sistema de emplacamento atual foi adotado em 1990, quando as antigas placas amarelas, que traziam disposições de duas letras e quatro números, passaram a ser gradualmente substituídas pelas de chapa cinza, destinadas para os automóveis particulares, contendo uma letra a mais (ou seja, com as presentes três letras). Cada Estado (e o DF) têm suas próprias sequências alfanuméricas, e a partir dessa indicação de caracteres será possível descobrir de onde o carro é proveniente. Existem ainda placas feitas em outras cores, como as brancas, usadas em automóveis oficiais, ou as vermelhas, usadas em táxis, ônibus, caminhões e outros veículos de transporte especial.

Começa no Paraná, que tem série de AAA-0001 até BEZ-9999. O Estado de São Paulo continua esse encadeamento, com o arranjo BFA-0001 e série final GKI-9999. E essas separações prosseguem, cada unidade da Federação apresentando seu segmento alfanumérico. As combinações possíveis de letras e números chegam a atender a uma frota de 175.742.424 veículos!

Unidades da Federação com combinações trocadas

Além da sequência alfanumérica de cada Estado ou Distrito Federal, as placas apresentam uma comprida tarja metálica, onde vêm anotadas as duas letras que representam a sigla da unidade da Federação e também o nome do município onde o veículo está registrado. Essa é a razão de vermos nas ruas carros com placas que apresentem uma combinação que não é originária de um determinado Estado.

Quando o emplacamento do carro ocorre num determinado local, mas o proprietário transfere seu endereço ou vende o automóvel, apenas a tarjeta metálica é substituída, conservando-se as indicações da nova localidade do registro do carro. Essa faixa horizontal pode ser facilmente trocada, quebrando-se o lacre, feito de plástico ou chumbo, operação esta que deve ser feita por um funcionário do órgão de trânsito no momento em que se vai concretizar o novo registro.

Assim, não será nada incomum que sejam encontrados arranjos de letras e números os quais seriam destinados a certa unidade da Federação e município, mas com a tarjeta indicando localidade diversa. Uma placa KMF, originária do Rio de Janeiro, poderá ser posteriormente seguir para a Amazonas, sem problema algum, bastando que seja trocada a tarjeta, trazendo o novo município e sigla do Estado (AM).

A identificação bastante particularizada do número de série nas placas é importante por conta de circunstâncias diversas, como no caso de furtos e roubos de veículos, busca e apreensão realizada por companhias de seguros ou para a própria visualização do carro pelo proprietário.

Dezenas de outras informações podem ser descobertas acerta de um veículo através do seu número de placa. Porém, nem todos os dados são tão fáceis de encontrar quanto a sua localização original. Quer saber mais sobre a procedência de um veículo? Consulte a Carcheck!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *