O que é e para que serve o chassi de um veículo?

O que é e para que serve o chassi de um veículo?

Você liga a televisão e vê nos noticiários policiais que alguns trapaceiros roubaram um carro e adulteraram seu número do chassi. Ou então, você pretende fazer uma consulta veicular na base nacional (BIN) e descobre que um dos indicadores principais é o código do chassi do automóvel. Com tudo isso, você já percebe que tal característica do carro é algo importante. Mas afinal, o que é esse número e para que serve?

O que é o número de chassi

O número do chassi é como é conhecido no Brasil o Número de Identificação do Veículo (NIV), que exprime um modo de registro universalmente adotado para os veículos automotores que foram fabricados em série. Isso inclui motos, automóveis, ônibus e caminhões, entre outros transportes afins.

A identificação de veículos começou a ser feita na década de 1950, mas um padrão de registro só teve efeito a partir dos anos 1980, chegando à atual proposta sequencial de letras e números. O chassi é basicamente a estrutura de aço que convém de base de montagem para os diversos componentes do carro, como o motor, a suspensão, os sistemas de freio e de direção, entre outros itens. É na parte da frente, em geral, visível quando da abertura do capô do veículo, que se encontra gravada essa sequência alfanumérica de identificação.

Traduzindo os números e as letras constantes no chassi

O chassi, é bom dizer, não apresenta uma sequência de letras e números aleatoriamente propostos pela montadora do carro. Ao contrário, de acordo com a Resolução 659/85 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), o Número de Identificação do Veículo (NIV) deve exibir 17 caracteres obedecendo a uma ordenação para compor um código único, decomposto em blocos determinados de significado.

Assim, os dois primeiros caracteres indicam a região geográfica e o país de produção. O Brasil, por exemplo, é caracterizado pelos tipos de “A” a “E”, e de “3” a “9” (podendo compor, portanto, combinações de 9A a 9E e de 93 a 99). O terceiro caractere assinala qual é o fabricante do veículo. Para a Volkswagen, por exemplo, a letra é “V”, para a Ford, segue a letra “F”; para a General Motors, há a letra “G” e assim por diante.

Em seguida, vem um grupo de 5 caracteres que agrupa informações variadas sobre o veículo. Normalmente, tratam do modelo do automóvel, sua versão, tipo de carroceria, motor, entre outras indicações afins. Aqui, cada montadora tem seu próprio sistema de codificação.

Um caractere é especificado, na continuação, para o ano de fabricação do carro, podendo ser um número ou uma letra (a letra “A”, por exemplo, indica o ano de 1980; e o algarismo “9”, o ano de 2009). E depois, um caractere para demarcar a localidade de fabricação do veículo.

Os algarismos restantes indicam o número de série do carro. Como essas configurações são individualizadas, é o bloco que mais varia, obviamente, em uma frota de carros do mesmo modelo e local de fabricação.

Qual a finalidade do número do chassi

A numeração completa do chassi serve como se fosse a “identidade” do veículo. É por meio deste código que se torna possível conhecer as informações completas do carro. Sem dúvida, distinguir um carro de outro é de importância tremenda, não apenas em casos de acidentes e para transações de transmissão ou compra e venda do bem, mas também para averiguar a veracidade registrada na numeração do chassi, a fim de saber se o carro não foi adulterado. Esse procedimento é comum entre estelionatários, com o objetivo de obter lucro mediante fraude, vendendo carros com características de valor maior do que realmente teriam, como um ano de fabricação mais recente, por exemplo. É justamente com o intuito de se dificultar a falsificação da sequência de identificação que os caracteres são gravados na base de construção do automóvel (chassi).

Pronto, agora você já sabe o que é e para que serve a identificação do chassi em seu veículo. Para esclarecer mais dúvidas como esta, continue acompanhando o blog do Carcheck!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *