Quanto eu posso cobrar pelo meu carro usado?

Quanto eu posso cobrar pelo meu carro usado?

Não há uma fórmula precisa para saber quanto vale o seu carro usado, sendo possível apenas fazer uma estimativa. Dessa maneira, existem alguns fatores que devem ser analisados quando você estiver pensando em revender o veículo. Bons exemplos desses fatores seriam a quilometragem, os danos, a limpeza e a aparência, de maneira geral.

Quer descobrir quais são os principais fatores que influenciam no valor do seu carro? Saiba pelo nosso artigo como fazer um bom negócio na hora da compra e venda do automóvel!

Valor de referência

Existe um cálculo utilizado pelos governos estaduais e pelas seguradoras para se chegar ao IPVA dos veículos e definir o quanto será cobrado em suas apólice — aceitação do contrato de seguro por parte da seguradora. O preço utilizado para servir de base para tudo isso é apresentado na tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

Os primeiros passos para formar a tabela foram dados em 2000, quando ela foi criada para dar um ordenamento ao mercado de veículos no Brasil, que antes não tinha um valor preestabelecido. A fundação tem uma equipe de mais de 40 especialistas para definir os valores da tabela, que fazem 125 mil cotações em 15 dias úteis, todos os meses do ano. Os preços são pesquisados em até 3,5 milhões de vezes em um mês.

Estado da lataria

O visual do veículo é um dos fatores fundamentais para a definição do preço. Não é à toa que pelo menos 90% dos compradores olham primeiro o estado de conservação do carro para depois escolher um modelo.

Amassados, riscos na pintura, maçanetas danificadas e qualquer outro detalhe que fica evidente aos olhos ajuda a valorizar ou depreciar um carro de segunda mão. É de se destacar, por exemplo, que manter o automóvel limpo para receber compradores faz toda a diferença na hora da decisão para fechar um negócio.

Origem do carro

Apesar de ser um fator que pesa mais quando existe um comprador experiente em negociação, é comum ver veículos que andam em cidades litorâneas sofrerem uma queda no valor de mercado. O motivo é que a maresia contribui para um desgaste excessivo da lataria, como o aparecimento da ferrugem. O assoalho também pode ser danificado com mais facilidade.

O dono de um carro dessa origem só consegue garantir valor maior quando comprova que cuidava bem, utilizando regularmente produtos que protejam contra esse fator. Automóveis que circulam em estradas de terra ou em sítios passam pela mesma situação. Nesses casos, não é o sal o grande problema, mas o desgaste maior de várias peças por conta das condições das vias em que o automóvel costumava andar.

Estado dos pneus e das rodas

Esses acessórios fazem parte do visual do veículo e por isso são muito notados. Pneu careca, em geral, é motivo para um comprador tentar negociar o preço. Apesar de que, na maioria das vezes, quem vai comprar tem em mente que é necessário realizar a troca de pelo menos um par de pneus.

As rodas também denotam o grau de cuidado do antigo dono. Se estão muito amassadas, é um sinal de que o motorista sempre batia na calçada ao estacionar, por exemplo. Já as rodas de liga leve tendem a garantir um visual mais chamativo. Algumas pessoas acabam valorizando esse fato e aceitam pagar um pouco mais pela beleza estética que o acessório proporciona.

Opcionais disponíveis

Gasta-se, certamente, um valor considerável na instalação do som automotivo, dos vidros elétricos e da direção hidráulica. Por isso, um modelo à venda que possua alguns desses itens acaba ganhando mais valor no mercado. Portanto, esses acessórios são vistos com bons olhos pelos compradores, principalmente aqueles que prezam por um certo grau de conforto.

Quilometragem baixa

Não importa que seja uma revenda, todo mundo espera conseguir um modelo novo e conservado. Por isso, quem tem um carro que rodou pouco, geralmente pede um valor um pouco mais alto. Essa valorização se dá porque o veículo tende a ter menos chances de apresentar defeitos nessas condições.

Motor e peças mecânicas

Carros que emitam sinais de que o motor está fraco ou que soltem muita fumaça indicam que o propulsor pode estar próximo de fundir. Esses defeitos custam um pouco mais caro e, claro, influenciam diretamente no valor final.

Qualquer outra peça, como o câmbio, pode influir no valor. Em contraponto, dificilmente um bom estado da caixa de marchas vai aumentar o preço do carro.

Muitos barulhos na suspensão acabam também desvalorizando o veículo. Já o contrário, praticamente nunca se realiza.

A partir de todas essas informações, você consegue pesar na balança se o preço pedido para a venda ou compra do carro está muito alto? O que você tem a dizer sobre o preço que pagou ou que quer vender o seu automóvel? Deixe um comentário contando a sua opinião!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *