Desvalorização de veículos: entenda as principais causas

Desvalorização de veículos: entenda as principais causas

Quando você pretende revender seu carro e procurar por potenciais compradores, é perfeitamente comum que surjam muitas dúvidas a respeito da desvalorização de veículos.

E isso não é à toa, pois você deseja realizar um bom negócio e não sair no prejuízo. Pensando nisso, reunimos, neste post, os principais motivos que estão atrelados à queda no valor dos carros e como se resguardar para lidar com essas situações da melhor maneira possível. Confira!

Marca

A reputação e a popularidade do modelo ou da marca do automóvel fazem uma grande diferença na hora da revenda.

Montadoras novas geralmente têm um índice de revenda baixo. Isso porque são mais desconhecidas e contam com poucas peças disponíveis no mercado. Modelos mais caros também podem prejudicar o proprietário na hora de revender. Portanto, ter prudência na escolha do veículo é essencial.

Quilometragem

Quanto mais elevada for a quilometragem, maior é a depreciação do carro. Isso porque o número de quilômetros rodados reflete a sua vida útil.

Em contrapartida, se o automóvel tem poucos quilômetros rodados, seu preço pode ser mantido ou aumentado. Para se ter uma ideia disso, muitas concessionárias aproveitam essa vantagem para pedirem um valor superior ao da tabela Fipe.

Personalização

Geralmente, quando você compra seu carro, nada mais natural do que personalizá-lo com pequenas modificações para que ele fique adequado ao seu cotidiano e, principalmente, ao seu estilo.

No entanto, algumas pessoas ultrapassam o limite do bom senso e fazem alterações físicas na composição do automóvel. Uma bem comum é a substituição de peças originais. Trocam não somente a pintura e adicionam adesivos, mas também o escapamento, as rodas, os componentes da carroceria, o som e até o motor, com a intenção de melhorar o desempenho e o aspecto estético.

Todas essas mudanças, embora importantes para você, podem se tornar um problema para os outros. Isso acaba limitando consideravelmente o número de possíveis compradores. Por essa razão, nunca faça personalizações exageradas caso você pretenda passar seu carro para frente no futuro.

Todavia, se as adaptações forem feitas, o ideal é que você faça negócio em locais frequentados por motoristas que tenham gostos parecidos com os seus e procurem um usado tal qual o veículo de que você dispõe.

Seguro alto

Com a criminalidade em alta no país, a preocupação de ter o carro roubado é enorme. Por conta disso, o valor do seguro pode influenciar na desvalorização de veículos, mesmo que a tabela Fipe não considere o fator, uma vez que o preço oscila conforme o perfil do motorista e a região onde ele mora.

Vale observar se um automóvel é muito visado ou não, pois isso pode pesar na hora da revenda.

Conservação e itens extras

Por fim, outro fator que pode reduzir esse valor, por mais óbvio que seja, é o estado de conservação deles. E isso abrange tanto a parte externa quanto a parte interna do veículo.

Afinal, os compradores sempre consideram a aparência em que ele se encontra. Portanto, desgastes físicos, como riscos e arranhões no painel, bancos com estofados sujos e furados, ausência de peças, entre outros aspectos visuais negativos, certamente, pesarão na decisão de quem está comprando.

Logo, se seu automóvel apresenta algumas dessas características, é melhor levá-lo para uma revisão completa, a fim de consertá-lo antes de pensar em repassá-lo para outra pessoa.

Além disso, não ter equipamentos relevantes, como travas/vidros elétricos, sistema de som e ar-condicionado, pode desmerecer o automóvel, pois são itens muito requisitados e valorizados. Por isso, mesmo que não sejam obrigatórios, é sempre bom tê-los para aumentar as chances de fechar negócio.

Esperamos que as informações expostas ao longo deste artigo tenham o ajudado a descobrir os principais da desvalorização de veículos. Aproveite essa oportunidade e siga nossas redes sociais para ficar por dentro de nossas novidades! Vamos lá!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *