Você sabe como funciona o freio do carro? Entenda aqui!

Você sabe como funciona o freio do carro? Entenda aqui!

Item de segurança primordial, o freio do carro depende de vários componentes para funcionar perfeitamente. Toda a força que o motorista faz no pedal precisa chegar às rodas e garantir que o carro pare antes de uma colisão. Com tecnologia, esse processo pode ficar ainda mais seguro.

Saiba agora de como sua vida e dos passageiros podem ser protegidas a partir do freio do carro.

Tipos de freio do carro

Há alguns tipos diferentes de freio do carro. Isso varia de acordo com o ano de fabricação do veículo, local de atuação e função específica.

Os freios a disco funcionam a partir do uso de pastilhas, sustentadas dentro de uma pinça hidráulica, que recebe a pressão para causar a frenagem. Essas pastilhas geram atrito em um disco que faz o carro parar.

Esse sistema a disco tem possibilidade de agregar tecnologia. Ele funciona com mais eficácia porque gera um atrito maior e suporta mais o calor. Em geral, os discos são instalados nas rodas dianteiras — alguns modelos usam nos quatro eixos.

O outro tipo de freio é o chamado a tambor. Ele é o sistema mais antigo e depende das chamadas lonas para causar atrito na roda e parar o automóvel. Um cilindro hidráulico faz com que as lonas, instaladas em uma estrutura que usa molas, movimentem-se dentro do “tambor” — parte oca que é acoplada às rodas e presa por meio de parafusos. Para os modelos mais comuns, o freio a tambor está nas rodas traseiras.

Partes do freio

O freio do carro pode funcionar em duas modalidades, como descrito acima, mas outras peças precisam trabalhar em conjunto para garantir que a força que o motorista faz no pedal chegue às rodas e faça-as parar.

Pedal

Ele é primeira peça que o condutor aciona para gerar a frenagem. A força gerada nele é repassada para o restante do sistema.

Servo-freio

Depois de o pedal ser acionado, o servo-freio recebe a pressão e realiza um serviço intermediário de aumentar essa força e enviá-la para o cilindro mestre.

Cilindro mestre

No cilindro mestre está o fluido hidráulico, que vai ser distribuído para as outras partes do freio. Por meio de canos, o líquido espalha-se para o freio a disco ou o a tambor. Um pistão é o responsável por gerar a força que vai espalhar o fluido.

Pinça e disco

Quando o carro tem freio a disco, o fluido chega à pinça, que repassa a pressão para as pastilhas, gerando atrito no disco e ocasionando a frenagem.

Tambor e cilindro

No freio a tambor, em geral instalado na roda traseira (só modelos muito antigos têm o tambor nas quatro rodas), o fluido de freio chega ao cilindro hidráulico. Por sua vez, ele expande uma estrutura na qual estão as lonas, que se aproximam do tambor e freiam o carro.

Tecnologia que ajuda na segurança

O desenvolvimento do freio a disco ajudou a criar mecanismos que aumentaram a segurança dos motoristas. Um desses mecanismos é o antitravamento, conhecido como ABS (Anti-lock Braking System), que permite que o carro pare sem derrapar no caso de uma freada brusca. Desde 2014, todos os veículos são obrigados a ter o sistema.

Outro é a distribuição da força de frenagem, ou EBD (Electronic Brake Distribution). Associado ao ABS, esse sistema faz com que todas as rodas sejam freadas de forma igualitária, evitando que o carro derrape para algum dos lados.

Ainda há o sistema de controle de estabilidade eletrônico, o ESC (Electronic Stability Control). Com ele, o carro consegue se manter estável mesmo que haja freio em curvas. São diversos sensores que atuam para equilibrar o veículo e diminuir o risco de capotamento, por exemplo.

Por ser um sistema interligado e muito importante, o freio do carro precisa receber manutenção rotineira. É por isso que o motorista deve conhecer as partes que formam toda a estrutura, tanto para poder identificar problemas como para detalhar para um especialista o que aparenta não estar em perfeito funcionamento.

Gostou do conteúdo? Aproveite e deixe seu comentário no post. Vamos lá!

Autor

O Carcheck proporciona uma negociação mais segura na compra do veículo usado. Antes de fechar negócio, é possível analisar indicadores de segurança, informações de seguradoras, além das condições atuais e rodagem junto aos órgãos competentes. Com a consulta, você também se previne de problemas como débitos em financiamentos, além de eventuais irregularidades que possam existir no veículo consultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *