Motor longitudinal e transversal: entenda a diferença

Motor longitudinal e transversal: entenda a diferença

Você já deve saber que o motor é uma das peças fundamentais de todo o veículo. Afinal de contas, é pela força do propulsor que é possível se deslocar de um ponto a outro em pouco tempo. No entanto, você sabe qual é a diferença entre motor longitudinal e transversal?

Basicamente, a diferença entre os dois modelos está no posicionamento deles dentro do carro. O motor longitudinal é montado de forma paralela à carroceria, enquanto o longitudinal ocupa um espaço perpendicular sob o capô. Mas quais são as vantagens e desvantagens de cada um deles? Continue a leitura para descobrir!

Motor longitudinal

A distribuição longitudinal foi a primeira a ser usada nos veículos com propulsor à combustão. Isso ocorreu devido ao tamanho dos primeiros motores, que precisavam de muito espaço para serem acomodados.

Os motores longitudinais são mais usados em carros potentes, com 8 cilindros e que possuem tração traseira. Com isso, além do espaço maior, a ligação entre a caixa de câmbio e as rodas motrizes fica mais encurtada. Isso melhora consideravelmente a entrega de potência.

No Brasil, os carros da Volkswagen, na década de 1980, tornaram-se conhecidos pela montagem longitudinal do motor. Por isso, o design de modelos como Santana, Gol, Voyage e outros traziam a frente mais alongada, para acomodar o propulsor.

Outro modelo muito admirado, inclusive nos dias de hoje, é o Opala. Desde as primeiras até as últimas versões manteve a combinação de motor longitudinal e tração traseira.

Motor transversal

Ao longo dos anos, a necessidade de se produzir carros cada vez mais compactos fez com que as montadoras apostassem na montagem de motores na transversal. Com esse procedimento, economiza-se espaço na dianteira, diminuindo a frente do veículo e economizando no material de montagem.

Uma das pioneiras nesse tipo de processo foi a Fiat que, no fim dos anos 1970, fabricou o Fiat 147, para competir contra modelos como Gol, Corcel, Fusca e Monza. O pequeno motor de 4 cilindros montado na transversal deu ao carro um perfil menos alongado, mais prático e econômico.

Outra vantagem do motor transversal é que, no caso de tração dianteira, as juntas homocinéticas ficam mais próximas das rodas. Isso diminui o caminho a ser percorrido pela força transmitida pelos giros do propulsor.

E por serem mais eficientes, motores transversais são mais silenciosos e vibram menos, garantindo maior conforto para condutor e passageiros.

Por outro lado, a montagem transversal impede a adoção de motores com muitos cavalos de potência, já que esse tipo de propulsor acaba sendo maior. No entanto, o ganho em eficiência, potência e economia de combustível acaba compensando os problemas gerados.

Assim, até mesmo montadoras fiéis aos longitudinais aderiram à nova tendência: a partir de sua linha 2008, chamada de geração 5, a Volkswagen adotou o motor transversal no Gol, o que desagradou alguns fãs. Porém, é inegável que a mudança não apenas trouxe praticidade, como possibilitou que ele continuasse firme e forte no mercado.

E aí, entendeu agora a diferença entre motor longitudinal e transversal? Se quiser saber mais informações ou ter acesso a outras histórias e curiosidades, curta nossa página no Facebook e fique por dentro do nosso conteúdo!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *