Entenda como funciona o processo de contratação de um seguro veicular

Entenda como funciona o processo de contratação de um seguro veicular

Com a média de um roubo ou furto de veículo a cada minuto no Brasil, não dá para contar com a sorte! Por disso, a contratação de um seguro veicular é, hoje, quase que obrigatória para proteger seu carro.

Para te ajudar, a seguir vamos te explicar como funciona o processo de contratação de um seguro. Confira!

Cotação

Definir o valor do seguro veicular será possível depois que algumas variáveis forem informadas na cotação, como modelo e ano do veículo e local de circulação. Para efetuar uma cotação, basta ir a sites de corretoras de seguros e preencher os dados.

Algumas corretoras, como a Carcheck Seguros, oferecem apólices em que não é necessária a análise de perfil do condutor, o que torna o cadastro muito mais simplificado. Mas a maioria das seguradoras apresenta um formulário bem mais burocrático, em que você precisa repassar uma série de informações para que o perfil do proprietário/condutor principal seja traçado, bem como um histórico do veículo.  Nessas seguradoras, os dados que precisam ser repassados são:

  • nome completo do proprietário e documentos pessoais, entre eles CNH;
  • dados do veículo;
  • quem além do condutor principal dirige;
  • descrição do uso diário;
  • local onde o veículo pernoita;
  • existência ou não de sistemas de segurança instalados.

Nível de uso do carro

Um veículo pode ser utilizado para ir e voltar do trabalho; para viagens longas, algumas vezes internacionais; andar em estradas sem asfalto etc. Esses níveis de uso podem influenciar no preço do seguro, porque vai demonstrar quais os riscos estão envolvidos.

Outra informação relacionada nesse critério é onde o carro fica ao longo do dia: se tem garagem coberta na residência ou não; se o proprietário vai trabalhar com ele, e nesse período há garagem, estacionamento privativo ou precisa ficar estacionado na rua ou mesmo se durante a noite o veículo fica protegido ou pernoita na rua.

Claro que quanto mais segurança o proprietário puder ter no período que o veículo fica parado, melhor para garantir um preço mais em conta no seguro que será contratado.

Segurança na área de circulação

Andar por vias consideradas perigosas ou áreas onde o risco de acidentes e assaltos são maiores, influencia diretamente no preço do seguro. A maior exposição a perigos pode representar, inclusive, a possibilidade de que a seguradora não tenha um pacote que atenda o proprietário.

Marca e modelo

A marca e o modelo de um veículo são critérios determinantes para compor o preço do seguro. Dá para imaginar que um veículo esportivo está envolvido em certos riscos, que um modelo popular passa longe. As relíquias e os clássicos também tendem a ser utilizados pelos proprietários de uma forma diferente.

Cada seguradora tem seus critérios para trabalhar, mas, geralmente, elas avaliam se um determinado modelo de carro é mais visado para roubo/furto, se as peças no mercado são mais fáceis de serem encontradas e, claro, qual o valor de tabela daquele modelo.

Vistoria e documentos

Depois que a cotação é feita e os produtos e serviços são definidos pelo proprietário para que seja feito o seguro, o passo final vai ser a entrega de cópias de documentos (CNH, registro do veículo). Também é preciso ser feita a vistoria em local credenciado pela seguradora.

Nessa vistoria são identificados possíveis amassados ou defeitos na lataria, e condições gerais do carro. Se as informações repassadas inicialmente não conferem na vistoria, alterações podem ser exigidas.

O seguro veicular vai ajudar não só nos casos de roubo ou furto, mas também pode diminuir a tensão e estresse no caso de colisões e até mesmo de danos mecânicos ocorridos na estrada, já que existe a opção de guincho e suporte.

Tem mais alguma dúvida a respeito deste assunto? Faça sua pergunta nos comentários abaixo ou acesse o site do Carcheck Seguros para saber mais!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Posts Relacionados

Nenhum post foi encontrado.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *