Carros flex: 3 problemas comuns e como evitá-los

Carros flex: 3 problemas comuns e como evitá-los

Os carros flex já conquistaram o mercado brasileiro. Desde o seu surgimento, em 2003, até hoje, a tecnologia bicombustível tem se tornado cada vez mais popular. No Brasil, quase todos os veículos saem dos fabricantes com motor compatível com gasolina e álcool.  Mas, mesmo com toda a inovação, existem alguns problemas comuns em carros flex que podem ser facilmente prevenidos.

Neste post, vamos explicar quais são os 3 principais problemas que podem ocorrer no seu automóvel flex e como evitá-los. Vamos lá?

Principais problemas em carros flex

Como estamos falando da tecnologia relacionada ao tanque de combustível, você já deve imaginar que as principais dificuldades decorrem justamente do sistema de combustível. E é exatamente isso que acontece. Entenda!

  1. Dificuldade para dar a partida a frio

Grande parte dos motores flex é fabricada com reservatório de gasolina desenvolvido para que seja dada a partida a frio, quando abastecidos com etanol. Normalmente ele é conhecido como “tanquinho” e existe porque os propulsores não conseguem funcionar apenas com a explosão causada pelo contato do álcool com a faísca da vela.

Isso não ocorre nos veículos mais novos, pois possuem tecnologia de partida a frio. Ou seja, quando o carro está abastecido com álcool, o produto é pré-aquecido antes de ser injetado para a partida.

  1. Problemas para dar a partida após a troca de combustível

Quando um carro equipado com motor flex é usado por muito tempo apenas com um tipo de combustível, pode acontecer de começar a falhar quando há uma troca brusca do produto usado no tanque. Por exemplo, se o carro ficou meses na gasolina e o tanque for abastecido completamente com álcool.

Isso ocorre porque o chamado mapa de injeção pode não reconhecer imediatamente o combustível utilizado. Assim, ele acaba gerando uma mistura de ar e de combustível que não é suficiente para dar força ao motor, causando a falha na hora da partida.

Se você estiver circulando por muito tempo apenas com um tipo de combustível, ao trocar deve-se ter um cuidado especial. Deixe o motor ligado por 10 a 15 minutos depois de abastecer. Assim, você dá tempo para que o sistema flex aprenda novamente a reconhecer o produto utilizado, evitando falhas na hora da partida.

  1. Defeitos causados pelo combustível

Um dos problemas comuns em carros flex é a má procedência do combustível usado. No caso do etanol, se estiver adulterado, pode formar um tipo de melado, decorrente do aquecimento da cana-de-açúcar, que pode danificar todo o sistema de distribuição.

Já a gasolina adulterada costuma provocar a corrosão de peças e componentes do veículo, como a bomba, por exemplo. A situação é grave, pois o combustível de procedência ruim é composto por produtos químicos pesados.

Por isso, procure sempre abastecer em redes de postos confiáveis. Também não se esqueça de observar os selos de qualidade do estabelecimento.

Independentemente do seu tipo de carro, faça revisões periódicas. E, no caso dos motores flex, fique sempre de olho no estado da bomba de combustível, dos bicos injetores, do filtro e das mangueiras.

Agora que você já conhece os problemas comuns em carros flex, já pode circular mais tranquilo com seu veículo. Lembre de que você deve considerar o custo-benefício quando for abastecer, só vale a pena usar o etanol quando ele custar até 70% do valor da gasolina.

Gostou destas dicas? Para receber mais informações como essas, assine a newsletter do Carcheck!

Autor

O Carcheck é uma ferramenta que visa a segurança na negociação de veículos usados, permitindo ao consumidor analisar cuidadosamente vários indicadores de segurança além de toda a trajetória do veiculo desde o seu primeiro registro junto aos órgãos competentes(Detran, Denatran, Dnit, Financeiras e etc) até o dia da aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *